Blog da Cidadania denuncia estratégia do PIG para confiscar conquistas do povo


PSDB e mídia inauguram em 2014 nova estratégia eleitoral contra o PT

Os quatro grandes conglomerados de mídia que monopolizam a comunicação de massa no Brasil chegam à sétima disputa com o PT pela Presidência da República. Organizações Globo, Grupo Folha, Grupo Estado e Editora Abril vêm tomando partido em todas as eleições presidenciais ocorridas desde a redemocratização de fato do país, em 1989, quando, pela primeira vez em quarto de século, os brasileiros puderam escolher seu presidente.

PÂNICO-2

Posted by  on 03/08/14

Das seis eleições presidenciais do pós-redemocratização (1989, 1994, 1998, 2002, 2006 e 2010), os grupos de mídia supracitados sempre atuaram contra o candidato do Partido dos Trabalhadores – Lula nas cinco primeiras eleições e Dilma Rousseff na última. Contra o petista da vez, apoiaram Fernando Collor de Mello, Fernando Henrique Cardoso, Geraldo Alckmin e José Serra.

Dessas seis eleições, só na primeira a direita midiática apoiou um candidato que não fosse do PSDB. Com o fiasco da eleição de Collor em 1989, porém, o oligopólio de empresas de comunicação fechou com os tucanos e não abriu mais. Contudo, mídia corporativa e PSDB, nas seis eleições em questão, usaram apenas duas estratégias eleitorais: medo e moralismo.

Em 1989, 1994, 1998 e 2002, os impérios de mídia e o anti-Lula de plantão usaram o discurso do medo – o petista transformaria o Brasil em uma espécie de Cuba gigante. Nas eleições de 2006 e 2010, apelaram para o moralismo religioso e/ou administrativo, com acusações ao petista da vez de ser “abortista” ou “corrupto”.

Em 2006, devido à eclosão do escândalo do mensalão, a questão “ética” dominou a campanha. No primeiro embate televisivo direto entre Lula e Geraldo Alckmin no segundo turno daquele ano, na TV Bandeirantes, o tucano promoveu forte agressão ao adversário, praticamente chamando-o de corrupto em rede nacional, emulando o discurso de uma avalanche de editoriais, colunas e “reportagens” sobre o mensalão que, quase 9 anos depois, ainda não terminou.

Já em 2010, a mídia tucana adotou contra Dilma – e em favor de Serra – uma mescla de acusações de corrupção e de ser “abortista”. Em sabatina da petista pela Folha de São Paulo nesta mesma época da campanha eleitoral daquele ano, o jornal resgatou declarações antigas dela favoráveis ao aborto – a aposta eleitoral decorreu do conhecido repúdio da maioria dos brasileiros a uma prática que países desenvolvidos adotaram como política de saúde pública.

Durante a eleição presidencial de 2010, o moralismo religioso e o administrativo tiveram pesos equivalentes na estratégia midiático-oposicionista, enquanto que, em 2006, o moralismo administrativo foi a única aposta antipetista.

O país chega a 2014 com uma combinação de estratégias da direita midiática contra o petista da vez. Apesar de na campanha eleitoral deste ano ser previsível que o moralismo religioso e o administrativo serão usados por Aécio Neves, Globo, Folha, Estadão e Veja, esses instrumentos não terão peso relevante desta vez – até por conta de vários escândalos de corrupção que estouraram contra o PSDB do ano passado para cá, tais como o escândalo dos trens ou, mais recente, o do “aécioporto”.

Talvez, esta seja a primeira eleição presidencial do pós-redemocratização em que não haverá “balas de prata”.

Desta vez, porém, a preponderância será de um discurso anti-PT que, tanto em 2006 quanto em 2010, não teve grandes possibilidades de vingar, apesar de ter sido tentado. A grande aposta da direita midiática em 2014 é na situação econômica do país, que esse grupo político acredita estar produzindo resultados.

De fato, a combinação dos protestos de junho do ano passado com terrorismo econômico da mídia e um desempenho de fato inferior da economia devido à crise internacional, tudo isso acabou produzindo efeito na cabeça de parte do eleitorado e, pela primeira vez no século XXI, a direita midiática disputará a Presidência em condições menos adversas.

A economia brasileira vai muito bem, obrigado. Apesar do crescimento considerado “baixo”, emprego, salário e renda das famílias continuam melhorando, ainda que em ritmo menor. Claro que há problemas em um quadro de profunda depressão mundial, mas a escolha do governo petista foi a de impedir que a população sentisse a crise e, assim, a conta mais alta vai para o topo da pirâmide social.

Com rentabilidade menor, o empresariado e o mercado financeiro se deixaram seduzir pela proposta velada de Aécio Neves e de Eduardo Campos de redistribuir os sacrifícios exigíveis durante uma situação ineditamente grave da economia mundial. Obviamente que requerem uma redistribuição ruim para a maioria e melhor para a minoria abastada.

Ainda assim, mesmo tendo números “ruins” para apresentar no que diz respeito ao crescimento e à inflação, não foi possível à mídia destruir a recandidatura de Dilma Rousseff. Muito pelo contrário, a presidente tem chance de vencer a eleição no primeiro turno, ainda que poucos acreditem que consiga – inclusive este Blog – devido à mãozinha que a mídia dá à direita 365 dias por ano, desde 1989.

Contudo, os resultados relativamente melhores colhidos até aqui pela direita midiática dependem de um fenômeno que, em cerca de duas semanas, irá terminar: o fenômeno de a mídia tucana falar sozinha contra a economia.

Mesmo com Dilma, sua equipe de governo, expoentes petistas e o próprio PT contradizendo o discurso midiático aqui e ali, os grupos que promovem protestos violentos nas ruas desde o ano passado geram discurso à direita de que o país vai mal, pois se tanta gente protesta a impressão que fica é a de que há realmente alguma coisa errada. Além disso, os protestos infernizam a vida dos cidadãos nas grandes cidades, gerando um clima favorável à oposição.

Contudo, há um fator extremamente poderoso a favor da recandidatura de Dilma: a realidade.

Na semana passada, durante a “sabatina” de Dilma pelo portal UOL, um dos entrevistadores a questionou quanto ao “problema do desemprego”. A presidente demonstrou surpresa e forte contrariedade com a proposição de uma questão literalmente maluca. O Brasil tem hoje o menor nível de desemprego de sua história, com salários crescendo apesar da crise.

Fatores sazonais interferiram na criação de postos de trabalho nos últimos meses, mas não há um só analista sério de economia que aposte em aumento real e expressivo do desemprego. Claro que com um nível tão baixo de desemprego (entre 5 e 6 por cento), não há espaço para criação de muitos postos de trabalho como vinha acontecendo nos últimos anos e, assim, a criação de vagas deve continuar, porém de forma mais modesta.

Por conta desses fatores, os números mais modestos de criação de empregos têm sido tratados como se houvesse aumento do desemprego, ao passo que o que existe é redução mais lenta do desemprego.

Como a mídia martela sem parar o terrorismo econômico em suas longas, longuíssimas reportagens desalentadoras sobre a economia, e como as ruas continuam sendo tomadas por manifestantes que garantem que o país está no fundo do poço, tudo isso torna praticamente inaudível os pedidos de reflexão do governo e do PT para o fato de que ninguém tem sentido desemprego ou queda na renda ou no salário, até porque continuam subindo, ainda que mais lentamente.

Isso tudo, porém, vai mudar a partir do horário eleitoral na TV e no rádio.

Um texto como este é considerado pela direita midiática – e até por setores da ultraesquerda – como uma legítima heresia, mas é exatamente o que você leu aqui que irá parar em rede nacional a partir do próximo dia 19 de agosto, nos programas eleitorais do PT. A análise deste Blog, portanto, é a de que este chamamento à reflexão será extremamente poderoso, pois fará a parcela mais influenciável do eleitorado voltar a pensar, o que não tem feito desde junho do ano passado.

Fonte da imagem http://www.ivancabral.comCharge sobre manipulação midiática

Anúncios

4 comentários sobre “Blog da Cidadania denuncia estratégia do PIG para confiscar conquistas do povo

  1. O GRUPO GAFE, O DESESPERO E AS CINCO REGRAS DAS REDAÇÕES

    O chamado Grupo GAFE, formado pelos oligopólios da Globo, da Abril, da Folha e do Estado, está em ação. O GAFE quer alguém “amigo” ocupando o Palácio do Planalto, de forma a ser aquinhoado depois com as polpudas verbas da publicidade do governo federal e das empresas públicas, por fora do critério atual, de distribuição democrática e equânime destas verbas entre todas as empresas e grupos de mídia existentes.
    Os mega-oligopólios privados de comunicação social querem a concentração de verbas em suas mãos e temem ainda o PT, porque sabem que só o PT levará adiante a discussão sobre a criação de um marco regulatório para a imprensa no Brasil.

    O PT é o único partido brasileiro que defende a adoção no país de uma legislação regulatória semelhante à dos EUA e à de outros países mais desenvolvidos e tão ou mais democráticos do que o nosso, onde há grandes limitações sobre a forma de existência e de atuação dos grupos de comunicação social, de forma a evitar a concentração de tamanho e de poder neste sensível setor da comunicação social. Uma regulação que, muito diferentemente de impor restrições ou de censurar a comunicação social, assegura justamente o oposto, democratizando e pluralizando os meios de comunicação social, ao impor barreiras que evitam a criação de oligopólios e de monopólios neste importante setor. Assim, as pautas, as programações e as linhas editoriais dos veículos controlados por estas empresas acaba refletindo muito mais os interesses e as correntes diversas de opinião da sociedade do que os interesses dos próprios grupos de empresas que realizam esta comunicação social.
    No Brasil atual, o maniqueísmo e a orientação única que prevalece nas redações dos veículos de comunicação social do país denunciam que as empresas controladoras estão impregnadas de um compromisso maior de salvaguarda aos interesses dos donos destas empresas, já tendo sido deixado de lado, há muito tempo, o compromisso primeiro destes veículos com os fatos e com os interesses da sociedade, de uma forma plural. O Grupo GAFE e seus associados trabalham, assim, para eleger Aécio Neves, como quem, de dentro de uma piscina repleta de tubarões famintos, tenta agarrar-se a uma corda salvadora.

    Além disso, é fato notório que a própria comunicação social privada está mudando no mundo inteiro, principalmente depois da chegada da Internet e das redes sociais. Não há mais hoje o monopólio e a primazia da concentração e distribuição das notícias. Os fatos correm pelo mundo através de uma vasta quantidade de mídias, sobretudo pela Internet, onde não há controle nem filtros. Há ainda a abertura do mercado de TV por assinatura para empresas de fora dos grupos tradicionais de mídia existentes, assim como para as empresas de telefonia, que são gigantes que podem incomodar o mercado televisivo, se quiserem. Com isso, a realidade do mercado de informação vai alterando-se drasticamente, alterando também os paradigmas do próprio mercado publicitário, que está também se adaptando à nova realidade da disponibilização ampla e irrestrita da informação pelo grande público. Tanto assim que as principais empresas do mundo de hoje não são mais aquelas que concertavam e distribuíam as informações, mas as que melhor e mais rápida e eficazmente recolhem e organizam as informações para o usuário. Isto significa que não mais ocorre das verbas disponíveis para a publicidade seguirem o caminho único e obrigatório de antigamente, indo parar, de uma forma ou de outra, nos cofres de empresas como as do Grupo GAFE e seus associados.

    Estas são as questões que estão na ordem do dia nas diretorias da meia dúzia de famílias que controlam os principais oligopólios de comunicação social privada do Brasil. Elas sabem que seu tempo está chegando ao fim e que sua sobrevida pode ser abreviada ainda mais com a permanência do PT no poder. Vão tentar faturar o quanto puderem ainda, até que o derradeiro dia do Juízo Final no setor.

    O PT e sua mania de democratizar tudo, já era um inimigo antigo, por afunilar as verbas oficiais de publicidade e propaganda nos lugares onde é governo, democratizando a distribuição destas verbas. Agora, diante desta nova a aflitiva realidade, a imprensa inteira do Grupo GAFE e associados irá jogar pesado nestas eleições, preocupada, antes de mais nada – e acima de tudo -, com sua própria sobrevivência e com a proteção sagrada de seus interesses umbilicais. Às favas o compromisso com democracia e interesse público e o dever de isenção nas eleições. A imprensa privada nacional tem o seu candidato, sim, senhor!

    Por isso, as famílias que controlam estes oligopólios empresariais brasileiros de comunicação social impuseram às redações de todos os veículos de comunicação um conjunto de 5 regras básicas, fáceis e simples. Elas devem ser observadas e implementadas, rigorosamente, pelos editores, produtores, jornalistas, comentaristas, analistas, âncoras, aloprados, mediadores, alarmistas e entrevistadores, em todos os veículos, ao abordarem temas de interesse da sociedade que possam ser relacionados ao governo federal, no geral, e ao PT, no particular:

    1. Se algo está ruim, divulgue-se que está ruim.
    2. Se algo está mais ou menos, divulgue-se o menos.
    3. Se algo está melhorando, divulgue-se que ainda está ruim.
    4. Se algo está ficando bom, divulgue-se que pode ficar ruim.
    5. E se algo está ótimo, então não divulgue-se

    Rogério Guimarães Oliveira

    Curtir

  2. Boa tarde. O Deputado Waldir Maranhão decidiu hoje que não irá renunciar ao cargo de Presidente da Câmara. De acordo com fontes no Maranhão, o deputado foi aconselhado pelo Conselheiro do TCE-Ma , Edimar Cutrim, o qual lotava até dias atrás em seu gabinete, o filho fantasma do Deputado. O Conselheiro Edimar Cutrim, é considerado ” o intocável” no Maranhão. Alvo de investigações e denúncias, o conselheiro tem um filho prefeito e presidente da Famem no Estado, outro filho Deputado Estadual, sendo muito bem relacionado no Estado.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s