Jean-Paul Prates, consultor na área de petróleo acaba com todo lero lero sobre a Pasadena


O especialista Jean-Paul Prates resume os acontecimentos da Pasadena

Provavelmente foi a última participação de Jean-Paul Prates em algum programa da Globo, pois ao não seguir a cartilha terrorista dos repórteres da grande mídia o especialista acaba estragando o jogo de desinformação dos jornais

Dica de Stanley Burburinho

O especialista em petróleo que não seguiu a pauta da Globonews. Veja o desespero da Leilane Neubarth querendo colocar palavras na boca do especialista para politizar a entrevista. Só que caiu do cavalo. Com certeza, Jean-Paul Prates, consultor na área de petróleo, nunca mais será chamado para entrevistas em veículos da Globo. Em 3 minutos, ele explica tudo sobre a refinaria de Pasadena.

Tem dias em que o tiro sai pela culatra…

Clique na imagem para assistir o vídeo

Jean-Paul Prates fala sobre Pasadena

 

Anúncios

19 comentários sobre “Jean-Paul Prates, consultor na área de petróleo acaba com todo lero lero sobre a Pasadena

  1. Assisti a toda entrevista. Há alguns argumentos verdadeiros, e outros com algumas distorções, na minha opinião. Gostaria de ressaltar alguns pontos, de forma imparcial, sem partidarismo e invencionices.

    1) Compreendo a decisão em si de comprar a Pasadena, pelo tipo de óleo de Marlim (pesado), antes do pré-sal, e, pelo fato que a refinaria era apropriada para processar esse tipo de óleo. Ou seja, a compra pode ter sido interessante estrategicamente, mas pode se discutir se suas condições foram justas ou não. Isso eu já tinha tomado conhecimento.

    2) O preço de Pasadena por barril de óleo estava, de fato, na ordem de grandeza do preço do barril, relativa à capacidade de produção da refinaria, em aquisições feitas na mesma época. Já tinha lido isso. Entretanto, isso em sim não é suficiente para asseverar que o preço foi bom, porque a refinaria não estava em bom estado e demandava muitas reformas, como o relatório da Holding CNP (Compagnie Nationale à Portefeuille) em francês referente ao ano de 2005, que tenho em mãos (a referência está no final do texto)

    De acordo com essa brochura, em Jan/2005 a Astra Oil pagou apenas 45 milhões de dólares pela refinaria. Esse mesmo relatório comenta ainda que esperava que a Petrobrás ajudasse a aportar os recursos e a tecnologia necessária para modernizar e elevar a capacidade da refinaria.

    A Petrobrás fechou esse negócio por US$ 190 milhões por 50%, um aumento de quase 9 vezes em 1 ano e 8 meses. É bem verdade que parte de aumento se deve ao aumento do preço do óleo nesse período (42 para 62 dólares o barril). Os investimentos na reforma começaram a ser feitos depois, o que justifica, em parte, o apreçamento futuro da refinaria.

    3) A cláusula de Put Option é relativamente normal em contratos, como ele disse, mas as condições ficaram muito ruins, pois o preço da refinaria foi arbitrado pelo topo do preço do óleo, baseado na data de 1 de julho de 2008, imediatamente antes da crise de 2008. Depois o preço do óleo desabou! Isso é azar. O problema é que se o preço original foi inflado, o preço de exercício da put option, termina por ser inflado na mesma proporção.

    4) O especialista ressaltou o grande custo da litigação para a Petrobrás e que insistir na litigação foi, de fato, em erro. O custo total desse erro foi de US$ 354,5 milhões.

    5) O especialista admitiu que a cláusula de Marlim é algo não muito convencional e, de fato, não é. Garantir rentabilidade mínima para um dos lados do negócio, não me parece muito inteligente, em um processo de compra de uma parte de uma sociedade por outra.

    6) Estranhamente ele destacou muito o fato da Dilma e Graça Foster terem esquecidos de cláusulas que estariam ou não no sumário executivo, no processo decisório da aquisição de Pasadena. Isso é irrelevante. Pessoas esquecem mesmo. No entanto, ele se esqueceu de dizer que o Conselho Administrativo deve dar seus pareceres de forma independente da gestão da empresa, utilizando-se de comitês de auditoria ligadas ao conselho e, pela lei das Sociedades Anônimas de capital aberto, o conselho é corresponsável pelas decisões que ele participa, inclusive a Dilma, então presidente do Conselho de Administração da Petrobrás.

    Há vários problemas no sumário executivo. A) Omitir as cláusulas de put option e Marlim B) Ter sido elaborado pela gestão da empresa e não pelo comitê de auditoria, em cima do contrato original de aquisição C) Ter se omitido de analisar a validade do preço de compra, não apenas pelo valor por barril, mas também pelo estado da refinaria, que tinha certa vinculação ao preço de aquisição de 1 ano e 8 meses antes.

    7) Não está em discussão se a compra de Pasadena foi política, como ele disse. A questão é mesclar uma compra importante estrategicamente com condições potencialmente desfavoráveis, que podem estar ligadas à corrupção das pessoas envolvidas. Qualquer compra dentro de qualquer empresa, privada ou pública, que se dê acima de um preço razoável, provavelmente envolve “bola”, envolvendo pessoas de ambas as empresas.

    8) O aparelhamento, tanto de governos anteriores como do atual governo, infelizmente não é apenas para trazer pessoas alinhadas politicamente para cargos de confiança. Você acha que um político vai ficar feliz ganhando X por mês de salário? O aparelhamento, infelizmente, serve para arrecadar dinheiro para os envolvidos e pessoas/partidos de suas relações. Não vamos ser ingênuos! Todo mundo que vende para Petrobrás, desde tempos imemoriais, sabe que há uma gordura para viabilizar qualquer negócio.

    9) É óbvio que a crise de 2008 transformar um negocio questionável ou talvez caro, em um péssimo negócio. A arbitragem foi pelo preço de topo e o óleo desabou! A refinaria pode recuperar seu valor? Pode, se o mundo começar a crescer bastante, o que está ainda longe, no mundo atual andando de lado.

    10) Um consultor de petróleo no Brasil, é quase forçado, pelo menos no Brasil, a prestar consultoria para Petrobrás. Portanto, ele não se sente completamente livre de falar qualquer coisa. Ele não pode desagradar a presidente da Petrobrás. Seria dar um tiro no pé.

    Fonte: http://globaldocuments.morningstar.com/documentlibrary/document/f8d47826c4de0f5f.msdoc

    Curtir

    • O especialista comentou que outras refinarias foram vendidas a preço bem maior por barril. Mas o grande pulo do gato, é a questao da localização estratetiga de Pasadena. Proximo ao porto de Mariel em Cuba, proximo ao canal de Panama que esta sendo reformado para suportar os super navios, perto do canal da Niguaragua onde a China vai investir US$ 400 bilhoes, ou seja, ligacao rapida pacifico atlantico. O negocio que era bom, virou mau, agora virou excelente.

      Curtido por 1 pessoa

    • Paulo Buchsbaum, suas pontuações são na base do morde e assopra, ou, na melhor sequência, assopra e morde. Justifica e questiona. Veja, tudo pode ser questionado ou é questionável. Depende basicamente da opinião ou visão pessoal que se tem de qualquer assunto. Até a Bíblia sofre diferentes interpretações mundo afora… Uns usam para pregar o evangelho e disseminar a palavra de Cristo… Outros usam para ganhar dinheiro… Tudo depende da idéia que você quer passar… Porém, quanto ao seu último parágrafo, em que sutilmente tenta desacreditar as palavras de Jean-Paul Prates, colocando-o como um especialista a serviço da própria Petrobrás, pergunto: Qual sua opinião sobre os “especialistas” apresentados pela dita grande mídia, que diuturnamente massacram o telespectador com suas “opiniões especializadas”, curiosamente sempre partidários dos grandes grupos midiáticos/empresariais? Estariam estes especialistas da mídia a serviço de algum interesse não declarado? E na sua opinião, qual ou quais interesses estes “especialistas da mídia” defendem? Devemos também acreditar que eles estão a serviço de quem?
      Cordialmente….

      Curtir

      • Considero qualquer tipo de especialista suspeito, independente de trabalhar na grande mídia ou não.
        É muito comum uma agenda oculta e é impossível discernir isso apenas pelo conteúdo de uma entrevista.

        Barões da indústria do açúcar financiam estudos contra os adoçantes, enquanto a indústria dos adoçantes procura falar mal do açúcar.

        Linus Pauling, prêmio Nobel de química, defendia doses maciças de vitamina C, pesquisa que não foi corroborada para grande maioria dos pesquisadores que o sucederam. Teria sido ele financiado pela indústria do açúcar?

        Há sérias suspeitas que cientistas importantes que são contra a tese do aquecimento global provocado pelo homem seria financiados pela indústria petrolífera. No entanto, há quem diga que indústrias ligadas a fontes alternativas / nucleares de energia poderiam estar financiando o lado oposto.

        Por tudo isso e por questão de filosofia, refuto sempre argumentos ad hominem. Acredito mais em fatos contra fatos. Sei que é uma tarefa árdua, mas sou um eterno cético. Não acredito em mocinhos versus bandidos.

        Considero a Revista Capital imprensa chapa branca, mas considero a revista Veja imprensa marrom. Não gosto nem do Reinaldo Azevedo da Veja, nem de Paulo Henrique Amorim da Carta Capital. Não acredito em tons extremos, há sempre matizes. Achava asquerosa a coluna do Diogo Mainardi da Veja, repleto de exageros, acusações levianas ou mero xingamentos.

        O fato é que não existe simplesmente imprensa que sequer tenta ser razoavelmente imparcial nesse país. Não existem quem busque com sinceridade apurar os fatos, como eles são, independente de eles favorecerem um lado ou o outro.

        No caso, é meio óbvio que é muito difícil um especialista em petróleo, não ter relações de algum tipo com a Petrobrás, aqui no Brasil. E, nesse caso, ele não deve querer desagradar a Graça Foster.

        Por exemplo, porque ele ignora o papel de um conselho de administração em uma empresa de capital aberto, se qualquer pessoa com alguma vivência corporativa sabe que ela é um órgão de controle independente da gestão? Como alguém pode tomar uma decisão importante em um conselho baseado em um mero sumário executivo produzido pela própria gestão, que ela deveria fiscalizar ou auditar?

        Eu não me baseei no que a grande mídia disse.

        Todo conteúdo acima pode ser extraído da minha experiência como consultor de negócios, de informações oficiais da Petrobrás, e também extraídas de declarações da própria Graça Foster e Dilma Rousseff,

        No entanto, a fonte mais importante foi o relatório da holding CNP (Compagnie Nationale à Portefeuille) da Astra Oil em francês, referente ao ano de 2005, que narra os fatos desde a compra da refinaria de Pasadena da Crown até o negociação da venda de 50% para a Petrobrás, visando reformar e modernizar a refinaria, que só acabou acontecendo em setembro de 2006.

        Repare que o site oficial da Petrobrás nega que a compra da Pasadena pela Astra Oil teve o valor de US$ 42,5 milhões (“A Comissão de Apuração Interna, instaurada em março pela companhia, apurou que a Astra não desembolsou apenas US$ 42,5 milhões pela compra da refinaria. Este suposto valor, a propósito, nunca foi apresentado pela Petrobras”), enquanto o relatório em francês afirma o oposto (“l’acquisition de la raffinerie de Crown à Pasadena , près de Houston, Texas, pour un montant de quelque USD 42,5 millions”)

        Curtir

  2. se nós brasileiros nos preocupasse mais com nosso pais e qdo ouvíssemos algo contra nossos governantes estudasse o caso com leituras de pessoas impárciais, para q pudessemos comentar e não só ouvir tirarmos nossa própria conclusão fincando realmente a par dos fatos,Talvez não tivéssemos tantos problemas politicamente falando se politica fosse matéria escolar desde o ensino fundamental, o nosso voto teria um peso maior não iriamos engolir tanto sapo como somos obrigado mas infelizmente o bumbum alheio o fank o rebolado sensual e tantas outra coisas insignificante nos cegam e levamos mais uma vez um FERRO sem tamanho. Pasadena 99% dos brasileiros nem sabe do q se trata só ouve alguns disserem q a petrobrás esta quebrada não ligam para o fato assim ficamos entre a cruz e a espada um governo com vários problemas de corrupção a oposição que até agora não mostrou de fato um bom programa de governo com base no desenvolvimento sustentável de um pais gigante como o BRASIL.Falar dos problemas é fácil difícil é apontar soluções viáveis para um povo tão sofrido mas feliz que acredita q é possível sim pois vivemos momentos distintos da nossa economia e sabemos q DINHEIRO se recupera mas O TEMPO PERDIDO jamais. Temos q nus preparar para votar para não chorar depois…..

    Curtir

  3. Tom da matéria bastante tosco! Coisas como ‘acabou com o lero lero’, ‘nunca mais vai ser convidado’, ‘a jornalista ficou desesperada’, ‘explica TUDO sobre a questão’ tem caráter claramente manipulador. Se postasse só a entrevista as pessoas não iriam (se inteligentes) chegar às conclusões que o ‘Meu Blog de Política’ (quem é você?) chega. Não é meio incoerente usar material da Globo e chamar de PIG? Quem é esse consultor? Como disse o amigo que comentou acima, deve trabalhar pra Petrobrás.

    Curtir

  4. Jean Paul Prates não deve ser tão maldito assim nas Organizações Globo porque ele tem até um blog no O Globo (http://oglobo.globo.com/blogs/petroleo/), onde no dia 15/4 ele publicou muitas coisas parecidas com o que ele falou na entrevista.

    O currículo dele (http://www.linkedin.com/in/jpprates) aponta-o como editor de uma revista de petróleo
    (Oil & Gas Journal Latinoamericana), presidente de um sindicato patronal de empresas do setor energético, presidente de uma empresa de consultoria de óleo e gás (Expetro), diretor-geral da Centro de Estrategias em Recursos Naturais e Energia (CERNE), além de ter sido secretário do governo da governadora Wilma de Faria do PSB entre os anos de 2006 a 2008.

    Wilma renunciou ao mandato em 2010 para concorrer e perder ao senado federal. Em 2012 ela se tornou vice-prefeita de Natal, cuja prefeitura ficou com o PDT, aliado do governo federal. Ela deve ser candidatar ao senado em 2014 pelo PSB, partido do Eduardo Campos. Como curiosidade, o filho da Wilma Faria foi preso em 2008 pela PF na operação Hígia.

    A Graça Foster e o Jean Paul Prates se conhecem, porque ele a entrevistou para o blog “Além do Petróleo”, hospedado no “O Globo” (http://nahorah.net/noticia.php?n=31995)

    Curtir

  5. Conheço pouco do assunto. Estou comentando aqui SEM ser especialista na área. Os comentários de Paulo Buchsbaum parecem sensatos.
    O Insensato é falar que essa refinaria, sob algum ponto de vista foi excelente negócio.
    Não vamos falar de mídia Brasileira, e sim de investigações internacionais sobre compras superfaturadas.
    Imagino eu, desviando dinheiro na compra de um terreno. O mesmo vale 50.000. Mas eu paguei 200.000 nele. 150.000 foram desviados. Aí eu construo uma casa com 300.000, e após um tempo de valorização, ela passa a valer 600.000 pronta. E eu volto e digo que pagar 200.000 no terreno foi um excelente negócio.

    Outra grande curiosidade é que sempre existe um grande investimento em Cuba, além desses investimentos próximos ao porto de Cuba. O Brasil injeta, despeja dinheiro nesse país SEMPRE com a desculpa que estão investindo pensando no comércio com os Estados Unidos. Criam uma cegueira, aonde o Brasil não é mais visto como irmão pelos EUA, e que Cuba é tratada apenas como um ponto de comércio estratégico.

    Por último, falar bonito é fácil. Lula falou na TV portuguesa, sem qualquer escrúpulo que o Mensalão foi uma invenção política.
    Assisti o especialista (futuro afiliado ao PT) e o mesmo fala como um bom político. O erro bizarro, o mau negócio concretizado, em seu comentário vira um “pequeno escorrego”, que falam com naturalidade que em um negócio quase bilionário “esqueceram de uma cláusula”, e é lógico, e depois falam que outras refinarias foram compradas por valores superiores por barril (sem falar quais refinarias e quais situações), e depois coloca situações fantasiosas (deixando claro que, se por acaso do dia pra noite o Barril de petróleo dobra de valor e a Economia dos Estados unidos começa a crescer como a China, aí o negócio fica lucrativo…….)…

    E sim, o cidadão pode ser competente, mas ser filiado ao PT – nesse momento de cheque – coloca o cara numa posição suspeita.
    E o cara trabalha para o Globo… seria possível que ele é um infiltrado no “PIG” ?? Será que a Globo não sabia da filiação dele com o PT ?
    Será que havia um script que não foi seguido (com a Globo sabendo de tudo isso ?).
    A única coisa que eu acho que a jornalista não esperava, era que iria conversar com um político. Sempre na tranquilidade, sempre falando firme, se necessário com meias verdades, e se aproveitando de sua posição de especialista, dizendo “eu entendo, tudo pode ficar lindo maravilhoso e próspero se acontecer o que a gente espera”…

    Se existe o PIG – parcial, dizer o que de blogs como esse ?

    Curtir

  6. Pingback: CPI da Petrobras – Brasil contrariou interesses de Petrolíferas estrangeiras | Meu blog de política!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s