Imprensa – Tratamentos distintos na diplomacia internacional


Imprensa – Veja a diferença gritante de tratamento

Um dia desses navegando por aí encontrei essa capa do Estadão, e lembro bem quando ela saiu para as bancas. Toda a grande imprensa a serviço dos EUA pressionava a Diplomacia e o Governo Lula para parar de dialogar com o Irã, e que Mahmoud Ahmadinejad é um louco assassino e não merece nem um tipo de diálogo. Deveria ser-lhe dado total isolamento do mundo, pois seus atos são condenados pela ética, moral e bons costumes, etc.

Estadão

 

Agora veja a matéria abaixo. Arábia Saudita executa 3 por homossexualidade. Foram condenados a perder a cabeça, ou seja, foram decapitados. A Arábia Saudita é um dos maiores parceiros internacionais dos EUA, mas e agora a grande imprensa brasileira acha o que? Dificilmente veremos o Arnaldo Jabor esbravejar na Globo, vociferando que o Obama é um salafrário por negociar com gente da laia do Abdallah bin Abdul Aziz Al-Saud, que é o Rei da Arábia Saudita

Human Rights Watch (HRW) criticou a Justiça saudita e o silêncio dos EUA, um dos principais aliados do país.
ABUSO

DO “LE MONDE”

Barack+Obama+Meets+King+Abdullah+Saudi+40RhvzB5Uvcl

Três sauditas acusados de homossexualismo foram decapitados no dia 1º de janeiro no sul da Arábia Saudita. Segundo o comunicado do Ministério do Interior do país, Ali Ben Hatan Ben Saad, Mohammad Ben Souleiman Ben Mohammad e Mohammad Ben Khalil Ben Abdallah foram condenados à morte depois de se reconhecerem culpados de “homossexualismo, casamento entre eles e incitação à sedução de menores”, atos descritos como “o cúmulo da torpeza e da infâmia”.
O Ministério da Informação saudita disse que o país “considera a pena capital o meio mais eficaz de salvaguardar o direito humano mais elementar: o direito à vida”. Na Arábia Saudita, as pessoas culpadas por assassinato, estupro e apostasia (mudança de religião), além de traficantes de drogas, são condenadas à morte.
Em 2001, ao menos 80 pessoas foram executadas no país, segundo a agência de notícias France Presse. O grupo americano de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW) criticou a Justiça saudita e o silêncio dos EUA, um dos principais aliados do país.

obama-saudi

“Não existe nenhuma proteção eficaz contra as prisões arbitrárias, a detenção sem culpa e a tortura”, afirmou a ONG americana. “O reino continua inacessível às organizações de direitos humanos, e ninguém no país ousa se engajar abertamente na vigilância das violações aos direitos humanos.”
Em relatório, a HRW critica também a indiferença americana quanto às violações da Arábia Saudita, eleita em maio de 1999 membro da comissão de direitos humanos da ONU. “Os tribunais sauditas continuam a impor sanções cruéis, desumanas e degradantes”, diz.
O grupo também faz críticas a um regime que, “com a ausência de órgãos eleitos em nível nacional e local e de qualquer instituição independente do governo ou de seus aliados no interior da administração religiosa oficial, permite à família real monopolizar o poder”.

Obama-Saudi-Arabia_Horo
Em editorial, o jornal francês “Le Monde” afirma que “o regime saudita, um dos principais aliados dos Estados Unidos na região, é tão fanático quanto o do mulá Omar em Cabul [capital do Afeganistão”. Não é por acaso que a Arábia Saudita foi um dos únicos países a reconhecer o Afeganistão do Taleban e a apoiá-lo ativamente até os atentados de 11 de setembro. Riad defendia ali sua versão do islã”.
“A dinastia dos Saud [que controla o país”, cuja legitimidade nem sempre é reconhecida, compra sua tranquilidade pagando ordenados a uma hierarquia religiosa”, disse o editorial, de acordo com o qual “a sociedade saudita é também vítima, de certa maneira, de uma esquizofrenia coletiva: tudo é permitido quando permanece escondido, mas qualquer liberdade declarada, condenável”.

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft0401200215.htm

Polícia saudita prende 21 suspeitos de homossexualismoAs primeiras investigações dizem que os jovens se reuniram para comemorar o aniversário de um deles

Polícia religiosa da Arábia Saudita prendeu 21 supostos homossexuais e apreendeu grande quantidade de álcool em uma operação na província de Al-Qatif, no leste do país, informou hoje o jornal local Al Madina. Segundo o jornal, as detenções aconteceram nesta sexta após um cidadão informar às autoridades que ouviu barulhos estranhos em um prédio da região de Sihat. A polícia chegou ao local, no qual vários homens estavam reunidos e encontrou grandes quantidades de roupa íntima feminina e maquiagem. As primeiras investigações dizem que os jovens se reuniram para comemorar o aniversário de um deles, que fugiu do local logo após a chegada da polícia. Em um primeiro momento, os agentes prenderam todos os homens presentes, mas depois liberaram vários deles, por falta de provas. O homossexualismo e o consumo de álcool são proibidos na Arábia Saudita, que aplica uma estrita versão do islã wahabita.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s